BBB – Brasileiro, bom e barato

Muitas vezes se questiona o custo do vinhos brasileiros, que não tem competitividade com produtos dos hermanos do Mercosul. De fato é difícil conseguir algo nacional por 15,00 que tenha a mesma qualidade de um uruguaio, chileno ou argentino. Mas a partir dos 20 reais a disputa já fica de igual para igual. E acho que muitas vezes vinho brasileiro ganha por ser fácil de tomar e equilibrado, não uma explosão de fruta e álcool acima dos 14%, como costumam ser os vinhos sulamericanos nessa faixa de preço.

A seguir, três cabernets, hechos en Brasil, entre 20 e 25 reais, para agradar todos os paladares e ficar bem na hora de presentear:

Aparados Cabernet Sauvignon 2007, Villa Francioni, São Joaquim, SC. Tinto bem equilibrado, aromas de pimenta e frutas negras, Na boca de corpo médio, taninos redondos, muito boa acidez. É possível tomá-lo sozinho ou acompanhado de massa com molho de tomate, alcatra grelhada ou sopa de abóbora. R$22,00.

Extrus Cabernet Franc 2009, Dezem, Toledo, PR. Tinto da terra roxa paranaense, de uma uva pouco conhecida, a Cabernet Franc, usada muito nos vinhos de corte de Bordeaux. Aromas mais sutis, um pouco de fruta vermelha, noz moscada, um toque de tostado proveniente da passaagem parcial (50%) do vinho em carvalho francês. Na boca desce redondo, com corpo mais leve e taninos finos. Também funciona tomá-lo sozinho ou acompanhar queijo gruyére, camembert ou um fondue de queijo. R$ 24,90

Nobrese Cabernet Sauvignon 2006, Sanjo, São Joaquim, SC. Cabernet pas compliqué. O Vinho de entrada da cooperativa Sanjo, safra 2006, interíssimo. Isso o que mais me impressiona. Um vinho a esse preço que envelheça bem. Também se destaca pelo equilibrio, é fácil de tomar e despretencioso. Acompaha desdes bruschetta, pizza, a pinhão cozido. R$21,00

Dia Mundial do Malbec

Próximo domingo, 17 de abril, será comemorado o Dia Mundial do Malbec, inciativa criada pelo Wines of Argentina – entidade responsável pela promoção dos vinhos argentinos mundialmente.

Durante esta semana, em diversas cidades como Buenos Aires, Lima, Tóquio e Nova York,  serão realizados eventos tendo o Malbec como protagonista. Segundo informações do site oficial, estão programadas degustações aqui no Brasil também, em São Paulo e Rio de Janeiro.

A página conta também a história da uva, originaria de Cahors, na França, e que foi trazida a Argentina, onde adaptou-se muito bem e começou a originar vinhos de qualidade. A Malbec foi responsável por lançar a fama dos vinhos argentinos ao mundo. É quase impensável uma bodega argentina que não produza vinhos feitos a base desta uva. Algumas dedicam-se exclusivamente a produção de vinhos de Malbec, em diferente apresentações: rosados, tintos jóvens, tintos de guarda, vinhos fortificados e até espumantes.

A notável adaptação da uva a diferentes terroirs do país foi, em grande parte, responsável pelo seu êxito. Ela é plantada desde a Patagônia onde há muito vento, céu nublado e solo pedregoso, passando por Mendoza, seu berço e lugar preferido até impensáveis 3200 metros de altura no norte Saltenho sob o sol ardente da cordilheira dos Andes.

Minha contribuição para celebrar esta data, é uma lista de alguns bons Malbecs que valem a pena serem provados:

Espumante Rosado de Malbec, super fresco e fácil de tomar:

Animal de Ernesto Catena Vineyards

Rosado fresco, ótima acidez, carta na manga na hora de harmonizações mais difíceis:

L’Argentin du Malartic 2010, de Diamandes

Malbecs jovens, frutados, descomplicados, pedem mais uma taça na certa. Vinhos francos! (aqui a lista poderia ser infiinita, mas vou sugerir 3 disponiveis no Brasil e que fujam das escolhas tradicionais):

Punto Final 2009, de Renacer

Alfredo Roca 2009, de Alfredo Roca

Ave Premium 2009, de Ave wines

Malbecs estruturados, complexos, que pedem um bom jantar para tomá-los:

Altavista Alizarine 2007, de Altavista

Colome Estate 2007, de Colomé

Lindaflor 2007, de Monteviejo

Pulenta Estate I 2008, de Pulenta Estate

Malbecs elegantes, sedosos, grandes vinhos para guardar:

Martino Gran Reserva 2003, de Martino

Doña Paula Selección de Bodega 2006, de Doña Paula Estate

Mendel Finca Remota 2007, de Mendel Wines

Tapiz Black Tears 2006, de Tapiz

Doña Silvina Reserva 2006, de Kontriras

Malbec doce, fortificado, ideal para sobremesas com chocolate:

Malamando, de Familia Zuccardi

e a lista poderia continuar… fiquei com água na boca!

Para a história da Malbec em português, clique aqui.